A transparência das lágrimas

Do vermelho o rubor
Ou o sangue
Já não nos interessa

Queremos apenas a calma pressa
Que consome dia após dia o enxame

De árvores ancestrais
Decaídas em meio à torrenciais
Ataques, depredações e vozes de comando.

Pois do verde das formas primevas
Nada restou além da transparência das lágrimas…

Mas nas páginas dos jornais
Em branco e preto vê-se claramente crescer a cor verde dos dólares.

O verde que, como das frutas,
É o verde da imaturidade
De uma humanidade
Mais degenerada e carcomida que velhas árvores.

E das árvores bipartidas
Queremos ao menos um epitáfio antes da asfixia da terra
Que no fim nos guarda e encerra.

Autor: | 672 visualizações
Data: terça-feira, 15. março 2011 10:05
Trackback: Trackback-URL Categoria: Algum Ódio

Feed para a postagem RSS 2.0 Comentar esta postagem

Enviar comentário

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline