60 dias comendo nabo

Agora morando na metrópole me vejo ligado às raízes campestres e num rompante me veio esta corruptela:

Eu tava é muito gordo
traçando tudo de bocado
Não perdoava novena
dia santo ou feriado
Era só na bistequinha,
feijoada, cuscuz, muito virado

Comia mesmo pra valer!
Comia com muito prazer!
Sessenta dias limpando prato!

Mas veio deixando sequela
um belo infarto inesperado
Pedaço da minha vida
meu coração descompassado
Jamais será esquecida
a imagem do anjo de foice armado

Pra deus rogo e imploro
não me mata tão logo
Sessenta dias internado!

Agora só como mato
nada de pudim, nem bom-bocado
nem sequer uma bisteca
nem domingo, nem feriado
Jamais eu esquecerei
a imagem da morte de foice do lado

Só na cenoura cozida!
Só na chicória fervida!
Sessenta dias comendo nabo!

Só na cenoura cozida!
Só na chicória fervida!
Sessenta dias comendo nabo!

Tags »

Autor: | 541 visualizações
Data: quarta-feira, 12. setembro 2012 19:31
Trackback: Trackback-URL Categoria: AnarcoPoeticSongs: PoeticLongWayDisturb

Feed para a postagem RSS 2.0 Comentar esta postagem

Enviar comentário

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline