A última folha do Outono

A última folha do Outono
Sente o vento querendo arrancar-lhe.
Ela sabe, embora não tenha carne,
Que até sua árvore lhe entregou ao abandono.

A última folha de Outono
Não quer morrer.
Cortar o cordão umbilical do galho
E se jogar ao chão onde a sujeira e não o orvalho

Irá lhe acariciar.

A carícia do bem é um sonho humano para a pequena folha.
Seca não vê que a luciférica escolha
Arrasta toda a criação
À putrefação da sabedoria.

A morte e suas facetas,
A dor e os seus adornos,
A sujeira do chão e os seus contrastes
Se miscigenam com o ar
E se insinuam no arfar
Do vento cansado.

A morte que rouba a vitalidade de todas as coisas
Está no ar, nas águas
E há de levar todas as formas ao seu descanso derradeiro

Na sujeira!

Tags »

Autor: | 2.238 visualizações
Data: terça-feira, 24. maio 2011 17:27
Trackback: Trackback-URL Categoria: Considerações

Feed para a postagem RSS 2.0 Comentar esta postagem

1 Comentário

  1. 1

    Muito bom, gostei bastante!

Enviar comentário

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline