Reflexos – parte iv


Parte I
Parte II
Parte III

IV

Abro espaço entre os círculos e as esferas.
Aqui, feras, não deixam nenhum traço

De embarcação sobre mar flutuante
Ou de faces de um lugar mnemósico-hesitante.

Estou apenas no mundo da imaginação.

No qual meu corpo nu,
Em meio ao obscuro,
Caminha
Por entre esses círculos de cristal.
Assim seguro
Caminha
Porém não seria de todo mal:

O crescimento dos jasmins
Ou o contemplar das metamorfoses de mim.

Os círculos ao meu redor flutuam
E há tantas faces distorcidas
Assim refletidas
Ao meu redor…

…Em círculos de cristal
Onde nem tudo é de todo mal…


Parte V
Parte VI
Parte VII
Parte VIII
Parte IX
Parte X
Parte XI
Partes XII e XIII (final)

Autor: | 1.727 visualizações
Data: terça-feira, 24. novembro 2009 9:35
Trackback: Trackback-URL Categoria: Considerações

Feed para a postagem RSS 2.0 Comentar esta postagem

1 Comentário

  1. 1

    Nossa a leitura deste poema me fez sentir em algum lugar imaginário, consegui me despor de todas a formas, adorei!!!
    Lu Porter

Enviar comentário

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline