As mãos que plasmam o futuro

As mãos que plasmam o futuro
Estão rotas.
Suas recompensas, tão parcas,
Tão poucas

São entregues como ao pedinte, ao indigente.

Desmerecidas que são em suas obras,
Relegadas ao esquecimento das sombras

Passam a acreditar na desimportância que lhes atribuem
Definhando-se no descaso que lhes constituem.

E mesmo pobres e desacreditadas seguem:

Erguendo edíficios, pintando quadros,
Instruindo pupilos e manobrando carros.

Porque há entre a batida do cartão
E o brandir do martelo
Uma força, um mistério,
Que exige ao humano continuar mesmo quando nega a razão…

…E lutar impulsionado pelos revezes do senão!

Porque há algo além que o impele a não cruzar os braços
Quando ainda há a sua frente tantos espaços

Que agora são só tocados pela imaginação.

E desse silencioso ou ruidoso trabalho que se faz
Por mãos daqueles tidos como meros e ínfimos mortais

Que se sustenta e se guarda toda a civilização.

Tags » , «

Autor: | 947 visualizações
Data: quarta-feira, 25. agosto 2010 8:07
Trackback: Trackback-URL Categoria: Factory

Feed para a postagem RSS 2.0 Comentar esta postagem

1 Comentário

  1. 1

    ”Mãos de esperança de instito de sobrevivencia que insiste em continuar, a seguir em frente.”

    Guto gostei do seu espaço

    beijos

Enviar comentário

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline