Dessa turba do continuar

Dessa turba do continuar
Nada mais quero!
Vê! Só espero
Desespero me desabrigar.

Talvez lançado à fúria das plagas da incerteza
Veja a rígida sutileza de se construir anéis:

Lançar-se ao círculo
    E voltar
       E voltar
          E voltar
             E voltar
                E voltar…

Dessa turba do continuar
Nada mais espero!
Talvez esmero
O que não deva.

Mas veja a desgraça de lançar-se
    E voltar
       E voltar
          E voltar
             E voltar
                E voltar…

À essa turba do continuar,
Na qual nada mais gero,
Inútil me enterro
   À tentar
      E tentar
         E tentar
            E tentar
               E tentar

Extinguir meus erros
E dos meus desejos
Me libertar!

Autor: | 877 visualizações
Data: quinta-feira, 5. novembro 2009 8:46
Trackback: Trackback-URL Categoria: Interlúdio

Feed para a postagem RSS 2.0 Comentar esta postagem

Enviar comentário

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline