{Po(v)e(r)t[r]y} Cansado de atravessar os mares da insanidade

Cansado de atravessar os mares da insanidade
Levanto meus braços ao alto
Em concentrada fúria
E vejo através dos meus olhos sanguíneos
Horríveis e divinos desígnios
Agindo sobre a minha mente.

Quem os criou?!
Não sei!
Quem os incutiu naquilo que sou?!
Faço leve idéia!

Mas circulam as formas ao meu redor
Enquanto perdido em meio à essas esferas insanas
Vou percorrendo os limites do nada
Buscando pelo vácuo
Um sentido ao qual valha ater-se.

Mas, de que adianta
Ater-se à suposições?
Tudo isso nada mais é
Do que uma âncora de ilusões

Para os nossos corações!

Prender-se ao nada para não morrer louco
Ao invés de navegar!
Assim nossa vida parece que vai
De fato naufragar

Nesse mar de súplicas!

Onde pedimos e nos pedem!
Onde oramos e nos embebem
De respostas mal forjadas!

Falsa forja!
Pré-concebida!
Preconceito!

E qual o nosso direito
De moldar a ordem com o caos?

Não é mais fácil
Seguir rios de protoplasma?
Mas, quando a mente isto cogita
Pasma

Diante de tanta indagação!
Indignada indagação!
Indignação!

Com o caos!
Ordem, vida e bactéria!
Na miséria!
Na fome!
Na sujeira!

Mas, de que adianta indignar-se
Se o rio de lôdo segue seu curso
Porque no mundo o que há é só um belo discurso

Instigando sensações!

E assim seguimos nessas convulsões!
Nesse êxtase repentino!
Nesse orgasmo precoce assexuado!

Pois assim o nosso sentir está enclausurado
Numa cascata de perturbações.

A vida é um gelo inerte
Num mar putrefato de mediocridade!
A vida (essa insana falsidade)
Nos rouba da terra e nos entrega ao verme.

Nos rouba da paz
E nos joga no cerne

Da loucura…

Autor: | 518 visualizações
Data: sexta-feira, 2. janeiro 2009 0:50
Trackback: Trackback-URL Categoria: Interlúdio, Poesias Ruins {Po(v)e(r)t[r]y}

Feed para a postagem RSS 2.0 Comentar esta postagem

Enviar comentário

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline