Quando tudo temos

Quando tudo temos
(Ou pelo menos coisas as quais apetecemos)
Sorrimos às luzes do meio dia
Dando feliz cantar ao sol.

Nesse tempo negamos a marca que nos fere a destra
E deixamos que, funesta,
A felicidade nos corrompa a harmonia
De nossa negra alma presa ao seu negro anzol.

Por tanto, de Lúciferes enraivecidos,
Passamos à ternos deuses esmaecidos
Na ânsia da orgia
E na beleza do atol.

Mas de quantas monotonias
Forja seu dia à dia
Ó Cíclope acorrentado à forja?

Tão voraz é a corja
Que se olhas esquerdo
Já se incita na mente o medo?

Ou a corrente é por demais bela
Que não vale a quirela
De ser maldito?

Tags » «

Autor: | 705 visualizações
Data: segunda-feira, 6. dezembro 2010 10:00
Trackback: Trackback-URL Categoria: Interlúdio

Feed para a postagem RSS 2.0 Comentar esta postagem

Enviar comentário

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline