O Poeta

O Poeta,
Viajante do obscuro,
Não percebe ou não quer ver
Que no seu querer
Não existe o delinear poderoso
Do verso que vem
Destruir formas,
Repugnar normas
E duvidar da fé.

Ergue entre súplicas
Mares de dúvidas,
Como se fossem muros aquosos,
Pontos receosos,
De solidão.

E com o olhar fixo no espaço
Destrói-se vida, morte e um laço
Que prende a sanidade à vida.

E se lágrimas escorrem da face,
Felizes ou inquietos, profundos ou satisfeitos,
Perdidos ou desfeitos,

Rasgamos nossos planos,
Desfazemos nossas promessas,
Jogamos fora nossa moral.

E num ponto infinitesimal
Foi encerrado o sentido
Invisível aos olhos nus.

A irracionalidade ou a racionalidade não fazem jus,
Mas a busca de uma ou outra também não.

Tags » , «

Autor: | 715 visualizações
Data: sexta-feira, 17. dezembro 2010 10:00
Trackback: Trackback-URL Categoria: L'Art

Feed para a postagem RSS 2.0 Comentar esta postagem

Enviar comentário

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline