{Po(v)e(r)t[r]y} Se eu choro

Você, linda, perguntou-me certa vez,
Confesso, me pareceu a princípio insensatez:
“Você chora?”

Sou humano, sou mortal,
Meu coração de sonhador é sem igual:
“É claro que choro”, respondo sem demora.

Penso. Tão frias são as pessoas.
Sua profundidade está mais para lagoas
Do que para o furioso mar.

Quem não é capaz de chorar
Ante a força silenciosa do mar
Que as areias da praia fica a acariciar?

Ou ao ver,
Tão lindo,
O sol se perder

Atrás do horizonte?
E muitos são os que choram
Ao observar o curso do rio de cima da ponte.

Quem não chora ante a injustiça?
Quem não verá os olhos do ódio brilharem
Quando os sonhos se despedaçarem?

Choramos sentimentos incontidos.
Sofremos ou sorrimos tocados
Muitas vezes pelas nossas próprias lágrimas.

Autor: | 639 visualizações
Data: sábado, 3. janeiro 2009 3:50
Trackback: Trackback-URL Categoria: Poesias Ruins {Po(v)e(r)t[r]y}, Versos Medíocres

Feed para a postagem RSS 2.0 Comentar esta postagem

Enviar comentário

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline