Do teu dia tomarei apenas esta pequena noite

Do teu dia tomarei apenas esta pequena noite,
Ó doce amada,
E no seu ocaso,
A madrugada,

Derramarei esses floridos versos de purpúrea forma.

É sábio dizer que não há norma
Que faça com que o coração indômito
Adormeça enleado de estranhos sabores.

O rigor, a dureza, o cáustico manar da palavra,
Perseguem a sua alma e a acorrentam à estrada

Da contusão.

Por isso o teu sorriso nunca me será caro o bastante
E sempre na cama me voltarei para o outro lado
Buscando inutilmente algo que estanque
O sangue da ferida feita no meu costado.

A chaga, a crueza, o duro manar dos dias,
Rígidos como rochas,
Austeros como canyons,
Enviam para adiante a minha existência

Empedrada pelos pedaços de madrugadas
Que como esta roubo de mim mesmo e entrego

Ao vazio.

Tags » , , «

Autor: | 817 visualizações
Data: quarta-feira, 9. dezembro 2009 9:00
Trackback: Trackback-URL Categoria: Suave coisa, suave coisa nenhuma

Feed para a postagem RSS 2.0 Comentar esta postagem

Enviar comentário

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline