Arquivo para a Tag » Tédio «

Do teu dia tomarei apenas esta pequena noite

quarta-feira, 9. dezembro 2009 9:00

Do teu dia tomarei apenas esta pequena noite,
Ó doce amada,
E no seu ocaso,
A madrugada,

Derramarei esses floridos versos de purpúrea forma.

É sábio dizer que não há norma
Que faça com que o coração indômito
Adormeça enleado de estranhos sabores.

O rigor, a dureza, o cáustico manar da palavra,
Perseguem a sua alma e a acorrentam à estrada

Da contusão.

Por isso o teu sorriso nunca me será caro o bastante
E sempre na cama me voltarei para o outro lado
Buscando inutilmente algo que estanque
O sangue da ferida feita no meu costado.

A chaga, a crueza, o duro manar dos dias,
Rígidos como rochas,
Austeros como canyons,
Enviam para adiante a minha existência

Empedrada pelos pedaços de madrugadas
Que como esta roubo de mim mesmo e entrego

Ao vazio.

Categoria: Suave coisa, suave coisa nenhuma | Comentar (0) | Autor: | 816 visualizações

Grilhões os forjamos todos os dias

quinta-feira, 1. outubro 2009 13:40

Grilhões os forjamos todos os dias,
E, em meio a tantas monotonias,
Quem afirmaria que é insensatez?

Nas regras do desregrado viver
Se quebra em pedaços de sôfrego prazer
Quando o orgulho se enaltece como parede
E nos cerca impedindo a saciedade do coração a sede.

E jogando os jogos das gravatas e honrarias
Seguimos as nossas conclusões precoces ou tardias
Pois a palavra se prende aos músculos
E o desejo nos produz Súcubos.

Olhares nos fazem esmorecer a vontade,
Ocultamos nossa alma atrás da mediocridade
E dizemos “Bom dia” com a morte estampada no rosto.

O tédio profundo provoca desgosto
Mas a fome de nada nos faz levantar toda manhã
E as palavras açucaradas nos fazem sorrir ao afã.

Mais dia, menos dia, nosso corpo fenece.
A dor é a única que cresce
Enquanto na corrupção do espírito
Há muito já não se dorme tranqüilo.

“Vá lá e sorria!”

Categoria: Tédio | Comentar (0) | Autor: | 727 visualizações

É só

terça-feira, 22. setembro 2009 14:37

É só mais uma rua,
Mais um sonho,
Mais uma despedida,
Mais um confim.

É só mais um canto obscuro
Onde há muros
Dividindo nossos corações.

É só mais uma noite
Onde da verdade o açoite
Castiga a mente do admirador…

Não se importe com a pobreza dos meus versos…

Pois este só foi mais um dia
Em que a monotonia
Abateu meu coração…

Foi só mais um momento
Em que tive o intento
De fazer uma canção…

Categoria: Tédio | Comentar (0) | Autor: | 705 visualizações

{Po(v)e(r)t[r]y} Virando taças mediocremente

sábado, 3. janeiro 2009 1:40

Tomai conta de mim,
Ó Fúria,
E derramai do meu coração
Toda injúria.

Este, está cheio
De sentimentos tortuosos,
De sentires desgostosos.
Por isso, essa taça virai
           E derramai!

Esse importunar incoerente.
Essa loucura potente.
Esse “quê” sem sentido.

Esste tédio impossível de ser esquecido.

Virai e derramai
Em versos ou esbravejos
Tanto sentimento sem sentido
Tornando para mim a frieza algo benfazejo.

Virai e derramai
O Tédio!
Virai e derramai
A falta de inspiração

Que me atinge com toda a razão!

Categoria: Poesias Ruins {Po(v)e(r)t[r]y}, Tédio | Comentar (0) | Autor: | 652 visualizações

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline